Losers – Os Aprendizados da Derrota

O ditado popular diz que “quem vence, escreve a história”, talvez esse seja um dos motivos pela qual nós sempre buscamos motivação em equipes e pessoas vencedoras, afinal, eles se preparam, planejaram, colocaram em prática, superaram as adversidades e venceram. Torna-se mais “fácil” seguir os passos dos vencedores, replicar de alguma forma as suas estratégias. Mas e as derrotas? O que elas podem nos ensinar nada? Será que as histórias daqueles que não saíram vitoriosos podem ser fonte de ensinamentos? A série Losers (Netflix) nos conta 8 histórias de equipes e esportistas que foram derrotados e que, dessa experiência tiraram e ensinaram grandes lições. Decidi que a cada derrota sofrida pelos protagonistas

Episódio 1 – Um Ex-Lutador
Lição – Viva seu propósito não o dos outros

Michael Bentt demorou a viver o seu propósito, durante muito tempo ele viveu o sonho do seu pai, que era ser lutador de boxe. Ele nunca soube por que lutava e quando ia para as lutas, sempre esperava que ela não acontecesse. Apesar disso tudo, ele se tornou campeão mundial dos pesos pesados (um título cobiçadíssimo). Michael nunca entendeu porque lutava, mas tinha certeza de que não queria estar ali. Na defesa do título foi derrotado e descobriu uma doença que dali em diante o impediria de voltar a lutar e afirmou “a melhor coisa da minha vida foi ser derrotado”. Daí em diante foi atrás do seu propósito e,  começou a trabalhar numa das indústrias mais criativas do mundo, a do entretenimento. Usando todo o seu conhecimento sobre boxe, atuou no filme que contava a história de Mohamed Ali, dirigiu uma peça na Broadway (sobre um boxeador), trabalhou com Clint Eastwood. Bentt encontrou o seu propósito vivendo da forma que sempre sonhou, criativamente. Ele transformou os momentos ruins da sua vida em experiências para algo bom.

Episódio 2 – Vitória Por Um Triz
Lição – Apesar das adversidades o objetivo ainda pode ser alcançado

O Torquey United é um time de futebol inglês que se deparou com uma situação que nenhum clube deseja estar, ser rebaixado. Segundo um dos atletas “vencer é um hábito, perder também” e o Torquey rapidamente adquiriu este. Não ser rebaixado dependia apenas dos atletas em um último jogo onde só a vitória interessava para o clube. A torcida agitada ameaçava invadir o campo e o policiamento com cães foi acionado. O que ninguém poderia imaginar é que um dos cães policiais acabaria, passado a metade do segundo tempo, mordendo a coxa do atacante do Torquey. Mesmo com tudo para desistir o jogador ficou em campo e minutos antes do apito final o Torquey fez o gol da vitória, escapando do rebaixamento e nos ensinando que independente das dificuldades e adversidades que você passe (ou das mordidas)  persista até o final.

Episódio 3 – Julgamento
Lição – Tenha coragem para quebrar paradigmas

Surya Bonaly é uma ex-patinadora artística, francesa, três vezes medalhista de prata do Campeonato Mundial (93–95), que muitas vezes se deparou com a seguinte indagação, “como fazer algo diferente onde nada pode ser diferente?”. Apesar da patinação artística ser um esporte conhecido pela sua beleza, ele também é um esporte onde você é recompensado por entregar o que os juízes querem ver e penalizado se mostrar algo que eles não querem ver, e afirmava “eles querem que eu seja algo que eu não sou”. Surya, assim como muitos rebeldes, era um gênio, ela acreditava nos seus princípios e queria entregar uma coreografia que a representa-se. Depois de ser a primeira mulher a fazer o salto quadruplo, ela queria fazer o back flip (salto de costas) o que era “impossível” na época e nunca tinha sido feito. Nos Jogos Olímpicos de 97 ela executou o movimento, mas como resultado, apesar de ser uma das favoritas na modalidade, acabou em 10º lugar, contudo entrou para a história como a única patinadora olímpica a realizar o salto mortal de costas, quebrando assim o maior paradigma da modalidade.

Resultado de imagem para losers netflixEpisódio 4 – Sangue Frio
Lição – Valorize o seu lugar no time

O curling é um esporte olímpico que tem como objetivo lançar pedras de granito o mais próximo possível de um alvo. Cada equipe tem 4 jogadores, sendo um deles o reserva. Pat Ryan demorou alguns campeonatos até encontrar o seu lugar no time, e mais que isso, para montar uma equipe que entendesse a importância de cada um durante o jogo. Pat Ryan era o reserva, mas diferente dos outros esportes, no curling o reserva é o jogador mais importante, pois ele entra no jogo (obrigatoriamente) em um momento decisivo, os dois últimos ends (turnos ou tempos do jogo). Apesar de ficar quase o jogo todo de fora (8 ends), Pat sabia que a hora em que entra, é um momento decisivo, que com frequência se faz as jogadas que definem o jogo. Entender qual o seu lugar no time, seu tempo e espaço e mais que isso, valorizar o seu lugar na equipe, fez com que Pat se tornasse campeão mundial e três vezes campeão canadense. Se você só se preocupa com o resultado, deixa de apreciar o caminho até lá e o que ele significa para você.

Episódio 5 – Sem Rumo no Deserto
Lição – Resiliência:
capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.

A Marathon des Sables (Maratona das Areias) é a corrida mais difícil do mundo, com seis estágios e duração média de sete dias, e equivale a seis maratonas. Ela acontece no deserto do Sahara, ao sul do Marrocos. Mauro Prosperi era pentatleta olímpico e resolveu se desafiar a participar da maratona. No quarto dia da corrida uma tempestade de areia o atingiu fazendo com que ele se perdesse e saísse da rota. Após as buscas acabou sendo dado pela organização como morto. Ele ficou 9 dias perdido no deserto, bebendo a própria urina, comendo morcegos que encontrou em um templo abandonado (que também serviu de abrigo) e, sempre teve em mente que precisava manter o controle mesmo sem saber o rumo certo. Duas equipes de resgate aéreo passaram por ele e não o localizaram, mas ainda assim não se deixou levar pelo desespero. Chegando no nono dia vislumbrando que não aguentaria vivo por mais muito tempo saiu caminhando e acabou encontrando um grupo de nômades que o salvou. Após o salvamento, na sua chegada, ainda no aeroporto na Itália afirmou “ano que vem eu volto para finalizar a prova”. Mauro foi resiliente frente a adversidade, soube se recuperar, preparar e finalizar a prova

Episódio 6 – Aliy
Lição – Vencer não é tudo

O Iditarod Trail Sled Dog Race é a competição mais difícil do mundo de mushing (corrida de trenos puxados por cachorros, no gelo). Ela tem 1.600 kms dura de 8 a 10 dias e passa por alguns dos lugares mais inóspitos do Alaska. Aliy Zirkle é uma das poucas mulheres a participarem da competição e afirma “vencer seria ótimo, incrível, enquanto esse dia não chega nós continuamos tentando”. Até 2020 ela já tinha participado de 19 edições da prova, ficando 3 vezes em segundo lugar. Na prova de 2016 ela e seus cachorros foram atropelados durante a madrugada por um snowmobile (moto de neve). Apesar do acidente ela sempre teve bem claro “é importante seguir em frente depois de um tombo e sempre terminar a corrida”. Apesar do medo que a tomou ela levantou e seguiu, chegou em terceiro lugar.

Episódio 7 – Black Jack
Lição – Habilidade certa, no lugar certo              

Jack Ryan, durante a infância teve a autoestima destruída pelos pais, apanhava, não tinha nenhum tipo de respeito e essa destruição ele levou para tudo em sua vida. Mas Jack tinha uma habilidade excepcional jogando basquete, era conhecido como “O Rei da Praça”. Entretanto, nem na faculdade nem na NBA ele conseguiu alcançar o respeito que buscava, o que era difícil acreditar pois ele era um excelente jogador. Mais uma vez sofrendo os efeitos da sua autoestima destruída ele voltou a jogar na praça, mas resolveu não se contentar com o mínimo. Ele sabia que tinha uma habilidade acima do normal, ela só estava sendo aplicada no lugar errado, foi quando ele teve a oportunidade de se juntar ao Harlem Wizards, um time profissional de exibição cujo objetivo é entreter a multidão usando uma variedade de truques de basquete. A sua habilidade estava sendo empregada nos lugares errados e, no Wizards ele tinha a oportunidade de impactar positivamente a vida das pessoas, não praticando o esporte competitivamente, mas usando ele para, mas por meio dele levar alegria as pessoas.

Episódio 8 – O 72º Buraco
Lição – Algo de bom pode vir da derrota

Jean Van de Velde é um jogador de golfe profissional francês. Em 1999 ele foi jogador o Aberto Britânico de Golfe que se realizaria no campo de Carnoustie na Escócia. Esse é o campo mais difícil que se tem conhecimento no golfe, no mais antigo campeonato que existe. Na primeira rodada foi mal, mas na rodada seguinte se destacou ficando em primeiro lugar e foi assim até a rodada final, até o último buraco. Jean tinha 3 tacadas de vantagem, o suficiente para ser campeão, quando tudo começou a dar errado. Ele errou 5 tacadas em sequência até chegar ao buraco e completar com 7. Acabou em segundo lugar em um campeonato que tudo indicava que seria seu. Quando voltou a França no seu campo de treino, a escola que tinha em média 15 crianças, tinha 100 crianças esperando o começo da aula onde ajudou a formar uma nova geração de jogadores.

E você, quantas tentativas fez até sua melhor performance? Que experiências podem estar na lista das maiores derrotas com grandes aprendizados? Quais as histórias de quem lhe inspira?

 “Sempre dizemos que aprendemos mais com a derrota do que com a vitória, então se aprendemos com a derrota, devemos prestar mais atenção naqueles que perdem” – Alan Pelillo, episódio 8.

 

Este artigo também foi publicado em:

Linkedin – https://www.linkedin.com/pulse/losers-os-aprendizados-da-derrota-rodrigo-selback

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo